Análise da distribuição de autorias por gênero na produção científica: uma perspectiva global / Journal of Informetrics

Análise da distribuição de autorias por gênero na produção científica: uma perspectiva global

Contrariamente aos pressupostos convencionais, os países em desenvolvimento apresentam uma evolução pronunciada nas taxas de autoria feminina. Em resumo, o estudo sublinha as tendências positivas em direcção à equidade de gênero, defendendo esforços sustentados para promover a diversidade e promover uma compreensão diferenciada no meio acadêmico.

#MulheresNaCiência #Autoria #Gênero

Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1751157724000695?via%3Dihub

Mulheres com doutorado têm remuneração 16,4% menor do que homens, aponta CGEE

Mulheres com doutorado têm remuneração 16,4% menor do que homens, aponta CGEE

Estudo analisou o perfil da população pós-graduada entre os anos de 1996 e 2021; no comparativo de pessoas com mestrado, a diferença das remunerações chega a 26,7%. Mulheres são maioria entre mestres e doutores titulados no País.

#Gênero #CiênciaBrasileira #MulheresNaCiência

via Jornal da Ciência

Disponível em: http://www.jornaldaciencia.org.br/mulheres-com-doutorado-tem-remuneracao-164-menor-do-que-homens-aponta-cgee/

UNESCO: Estudo sobre Enviesamento de Gênero em IA

UNESCO: Estudo sobre Enviesamento de Gênero em IA

r ocasião do Dia Internacional da Mulher, a UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization) e o IRCAI (International Research Centre On Artificial Intelligence) publicaram Challenging Systematic Prejudices An Investigation into Bias Against Women and Girls in Large Language Models. Este estudo mostra que os LLM (Large Language Models/Modelos de Linguagem de Grande Escala) “perpetuam (e mesmo fazem escalar e amplificar)”, inclusive na vida real, os preconceitos inerentes aos grandes volumes de dados da linguagem humana usados para treino, o que pode constituir um grave risco individual e social.

#Gênero #IA

via RBE

Disponível em: https://blogue.rbe.mec.pt/unesco-estudo-sobre-enviesamento-de-2828343

Gênero como tema de pesquisa em Ciência da Informação: reflexões sobre uma caminhada

Gênero como tema de pesquisa em Ciência da Informação: reflexões sobre uma caminhada

Fico muito honrada em contribuir para esta edição do Divulga-CI com reflexões sobre a temática de gênero na ciência da informação e sobre minha trajetória em estudos sobre o tema. Posso considerar que sou de fato pioneira nessa área, mas, devo confessar, que o interesse no assunto não foi a minha motivação inicial.

#Gênero

via Divulga-CI

Disponível em: https://www.divulgaci.labci.online/v-2-n-2-fev-2024/genero-como-tema-de-pesquisa-em-ciencia-da-informacao-reflexoes-sobre-uma-caminhada-por-gilda-olinto/

A Revista Feminina (1914-1930) em perspectiva: o uso da imprensa e dos arquivos para pensar a história das mulheres

A Revista Feminina (1914-1930) em perspectiva: o uso da imprensa e dos arquivos para pensar a história das mulheres

a Revista Feminina, mesmo sendo um periódico feito por mulheres e para mulheres, ainda repre-sentava o contexto “patriarcal” de um país que estava instaurando uma repúbli-ca pautada nos papéis duais de gênero (e nos pilares excludentes de raça e clas-se). Mas nas entrelinhas, em algumas imagens e até nos editoriais, podemos ver a atividade multiforme das mulheres, mesmo que ainda houvesse a ideia quase que central da tríade mãe, esposa e dona de casa.

#Gênero #HistóriaDasMulheres

Disponível em: https://revista.an.gov.br/index.php/revistaacervo/article/view/1974

Desigualdades de gênero em conselhos editoriais

Desigualdades de gênero em conselhos editoriais

Um estudo com foco em revistas de cirurgia, anestesiologia e ginecologia e obstetrícia da América Latina e Caribe, publicado pelo World Journal of Surgery, mostrou que a situação por aqui também é preocupante.

O trabalho, assinado por pesquisadoras de Brasil, Argentina, Estados Unidos, Rússia e Canadá, evidencia que as mulheres compõem apenas 17% dos cargos nos conselhos editoriais de revistas científicas das especialidades analisadas.

via Science Arena

#Gênero #Periódicos

Disponível em: https://www.sciencearena.org/carreiras/desigualdades-de-genero-em-conselhos-editoriais/

Entrevista com Natascha Hoppen sobre sua pesquisa que analisou a produção científica sobre os estudos de gênero no Brasil

Entrevista com Natascha Hoppen sobre sua pesquisa que analisou a produção científica sobre os estudos de gênero no Brasil

Eu escrevi parte da tese durante a pandemia de COVID-19. Isso foi extremamente desafiador. Eu com certeza não teria conseguido sem o apoio que recebi de minha colega de doutorado, Luciana Monteiro-Krebs, também aluna do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da UFRGS. Nos ajudamos mutuamente, demais. Trabalhamos juntas (por vídeo chamada) por meses, com técnicas de estudo como a pomodoro, sempre uma ajudando a outra.

via Divulga-CI

#MulheresNaCiência #Gênero #ProduçãoCientífica

Disponível em: https://www.divulgaci.labci.online/v-1-n-10-dez-2023/entrevista-com-natascha-hoppen-sobre-sua-pesquisa-que-analisou-a-producao-cientifica-sobre-os-estudos-de-genero-no-brasil/

Desigualdades Raciais na Ciência Brasileira

Desigualdades Raciais na Ciência Brasileira

O desafio não é trocar padrões de excelência por uma ênfase na diversidade, mas de recalibrar uma concepção de ciência no interior da qual a diversidade traz, como potencial, contribuições cognitivas robustas e alguma espécie de mérito, de modo que ela, ao lado da excelência, alcance o status de valor central ao fazer científico.

via GEMAA

#CiênciaBrasileira #Gênero #Desigualdade

Disponível em: https://gemaa.iesp.uerj.br/infografico/desigualdades-raciais-na-ciencia-brasileira/

Estudos têm 3 vezes mais autores homens citados do que mulheres

Estudos têm 3 vezes mais autores homens citados do que mulheres

“Penso que isso [a disparidade de gênero no topo das pesquisas] significa que muitas mulheres extremamente talentosas não têm oportunidades suficientes para florescer e prosperar. Esta é uma grande perda para elas, mas também para a comunidade científica em geral, que perde contribuições importantes de algumas das melhores mentes”, disse John Ioannidis, da Universidade Stanford.

via Folha de S. Paulo

#Citação #Gênero #Ciência

Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2023/11/estudos-tem-3-vezes-mais-autores-homens-em-referencias-do-que-mulheres.shtml

O que podemos aprender sobre desigualdade de gênero a partir de 9.757 propostas submetidas ao edital Universal 10/2023 do CNPQ?

O que podemos aprender sobre desigualdade de gênero a partir de 9.757 propostas submetidas ao edital Universal 10/2023 do CNPQ?

As evidências indicam que a desigualdade de gênero no acesso a recursos de pesquisa também persiste por região. No Norte, os homens ganharam cerca de R$ 6 mil a mais por projeto aprovado, em média. No Nordeste, a vantagem masculina é de pouco mais de R$ 7 mil. No Sul, a diferença média chegou a R$ 17.447. Essas disparidades regionais destacam a complexidade do problema e podem fornecer insights para a formulação de estratégias de promoção da igualdade de gênero em financiamentos de pesquisa.

via Dados

#CiênciaBrasileira #CNPq #Gênero

Disponível em: http://dados.iesp.uerj.br/desigualdade-de-genero-propostas-cnpq/

Práticas informacionais em perfil feminista do Instagram: entre letramentos e desinformação de gênero

Práticas informacionais em perfil feminista do Instagram: entre letramentos e desinformação de gênero

verificou-se que o perfil selecionado não tem como objetivo principal o combate à desinformação de gênero, porém ele fornece oportunidades de letramentos, que por meio da apropriação da informação, empoderam indivíduos, desconstroem estereótipos, promovem a igualdade e fomentam uma consciência crítica, oferecendo-lhes ferramentas para identificar, questionar e confrontar informações equivocadas, falsas e prejudiciais relacionadas a questões de gênero.

#Gênero #PráticasInformacionais #Instagram

Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/265636

Desigualdade entre homens e mulheres só será superada em 2154, diz Fórum Econômico Mundial

Desigualdade entre homens e mulheres só será superada em 2154, diz Fórum Econômico Mundial l “Apesar de ter retornado ao nível pré-pandemia, a paridade de #gênero estagnou no mundo. Com avanço na política, Brasil sobe no ranking” #Desigualdade via Exame https://exame.com/esg/desigualdade-entre-homens-e-mulheres-so-sera-superada-em-2154-diz-forum-economico-mundial/

Acesse o item em: https://exame.com/esg/desigualdade-entre-homens-e-mulheres-so-sera-superada-em-2154-diz-forum-economico-mundial/

Gênero, dominação masculina e informação : a violência contra a mulher evidencia…

Gênero, dominação masculina e informação : a violência contra a mulher evidenciada através das informações estatísticasl “A informação é um elemento de enfrentamento da dominação masculina […]” #Gênero #ViolênciaContraAMulher #Feminicídio #Estatística repositorio.ufpe.br/handle/1234567… https://t.co/gYHM369yxO


Acesse o item em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/50348

Proudly powered by WordPress | Theme: Content by SpiceThemes

Pular para o conteúdo